Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 144

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 145

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 146

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 147

Warning: mysql_result() [function.mysql-result]: Unable to jump to row 0 on MySQL result index 12 in /home/storage/a/dc/17/jornaldepicos/public_html/noticia_detalhe.php on line 148
Jornal de Picos :: Notícias de Picos e macrorregião
Página Inicial

Siga-nos:

28.2.2020

Opinião

"Uma cidade que gera um jogador fantástico como o GRANDE LEONARDO só pode ser uma cidade muito especial! OBRIGADO POR TUDO, PICOS! PERNAMBUCO JAMAIS ESQUECERÁ O FILHO DE VOCÊS! LEONARDO MARCOU ÉPOCA NO BRASIL INTEIRO! "


De: Sergio Silva em Recife, 04/03/2016 11:30:14h

[ Veja mais ]

Você está lendo a coluna: Política

Moro diz que Bolsonaro pode vetar trechos de pacote anticrime

 

13/12/2019

O ministro Sergio Moro (Justiça) afirmou nesta quinta-feira (12) que o presidente Jair Bolsonaro pode realizar alguns vetos no pacote de lei anticrime, aprovado na quarta-feira (11) pelo Congresso Nacional. 

"Vetar totalmente não faz sentido, evidentemente, pois é um projeto do governo. Vetar totalmente é uma hipótese descartada, mas talvez haja alguns vetos. Isso vai ser discutido com o presidente da República", declarou o ministro, após uma cerimônia no Ministério da Justiça em que os secretários da pasta apresentaram um balanço da gestão do órgão. 

O ministro não especificou quais pontos poderiam ser barrados pelo presidente, mas há itens que são alvo de críticas por parte do ex-juiz da Lava Jato. 

Um deles –que não constava na versão original do pacote anticrime– é a criação do juiz de garantias. Esse magistrado é responsável por instruir, mas não julgar o processo.

O texto votado na quarta pelo Senado é uma versão desidratada do pacote anticrime inicialmente proposto por Moro. A redação agora vai para sanção de Bolsonaro. 

Ficaram de fora algumas das principais bandeiras do ex-juiz, como o excludente de ilicitude, a prisão em segunda instância e o acordo de "plea bargain", acordo penal em que o Ministério Público oferece ao réu uma pena mais branda do que a que ele poderia pegar caso fosse a julgamento.

Parlamentares da ala lavajatista dizem que vão trabalhar para manter os vetos que Bolsonaro deve fazer e apresentarão, no ano que vem, um novo projeto para tentar recuperar pontos que foram derrubados.

Houve acordo unânime para que não fossem feitas alterações agora, para garantir a aprovação imediata.

"Não é exatamente o projeto que foi apresentado, algumas medidas ficaram de fora. Respeitamos a decisão do Congresso, faz parte do jogo democrático, mas várias medidas relevantes ficaram presentes. E a partir do momento em que a lei seja sancionada, certamente fará diferença significativa no avanço da Justiça e da segurança pública do país", afirmou Moro, durante a sua apresentação no ministério. 

Embora tenha reconhecido que a aprovação de seu projeto demorou no Congresso, Moro agradeceu os parlamentares e disse que é alvissareiro que ele tenha sido votado antes do final do ano. 

Fora do pacote anticrime, a prisão em segunda instância é tratada em uma PEC (proposta de emenda à Constituição) que tramita na Câmara. Um projeto de lei no Senado, com tramitação mais rápida, não será votado por decisão do presidente da Casa, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O texto aprovado na quarta endurece alguns pontos da legislação, como o aumento de 30 para 40 anos do tempo máximo de cumprimento de pena. Esse trecho constava do projeto de Moraes, assim como o acordo de não-persecução penal, que deve ser homologado por um juiz.

Além da figura do juiz de garantias, parlamentares incluíram pontos como mudanças nas regras de delação premiada. Pelo texto aprovado nenhuma medida cautelar e recebimento de denúncia ou queixa-crime poderá ser decretada ou apresentada apenas com base na declaração do delator.

Fonte: Folhapress

.:: ComentarCorrigirEnviar por e-mailImprimir ::.

Comentários desta matéria:

Não há comentários para a matéria no momento.

Outras desta mesma coluna:

28-02-2020 :: Pré-candidatos a prefeito de Picos avaliam pesquisa Amostragem

26-02-2020 :: Prazo para eleitor regularizar título termina em maio

22-02-2020 :: Ciro Nogueira será o único piauiense em comissão reforma Tributária

21-02-2020 :: Em live, Bolsonaro critica atitude de Cid Gomes em protesto com PMs

21-02-2020 :: Corso de Picos acontece hoje sexta-feira, 21

21-02-2020 :: A mando de Moro, PF investiga Lula por declarações sobre Bolsonaro e milícia

14-02-2020 :: Na saída, Walmir tenta empréstimo milionário para sucessor pagar

13-02-2020 :: Gil Paraibano anuncia Zé Neri como seu companheiro de chapa

12-02-2020 :: ICMS e Fundeb dominam pauta em reunião de governadores

12-02-2020 :: Prefeita de Santana do Piauí inaugura poste e vira motivo de piada

11-02-2020 :: Prefeito e vice tem mandatos cassados pelo TRE-PI por compra de votos

11-02-2020 :: Ações querem impedir candidaturas “laranjas” de mulheres nas eleições 2020

07-02-2020 :: Multas e pontos na carteira devem estar disponíveis na internet, decide CCJ

04-02-2020 :: No Piauí, produtores rurais questionam valores para regularização fundiária

24-01-2020 :: Julgamento de recurso contra cassação do Padre Walmir é adiado

[ Todas desta coluna ]

otica kika - otica kika dario - dario clinica popular - clinica popular

© 2009 - Jornal de Picos - Todos os direitos reservados - E-mail: contato@jornaldepicos.com.br

Somente os artigos não assinados são de responsabilidade deste portal. Os demais, não representam necessariamente a opinião desta editoria e são de inteira responsabilidade de seus autores.